À Sul-Americana

A suspensão da partida entre Boca x River pela Libertadores durante a última semana é – infelizmente – espelho de uma cultura de impunidade, articulações políticas, improviso e falta de respeito ao ser humano, que é evidente na América do Sul.

Se os fatos do spray de pimenta, e da violação do túnel que protege a delegação visitante já são espantosos, também é a demora em suspender o jogo! Oras, o que podia ser resolvido ali? Em primeiro lugar, foi tirada a igualdade de competitividade entre as equipes. Afinal, tratava-se de um plantel com 4 atletas com a visão prejudicada, o que tornava obrigatório o River Plate a realizar substituições por fatores externos ao jogo. Por não falar da multidão descontrolada, o que exclui a preservação da integridade física dos elementos do esporte.

Ainda não está explicado o assassinato do promotor argentino Nisman. Do escândalo do Mensalão, estão por amenizar as penas. Do Lava-Jato, há muito e muitos ainda para serem descobertos, o que vai levar tempo. E a Confederação Sul-Americana, vai comprar uma briga com o Boca Juniors, que traz retorno financeiro através da venda de bilhetes e audiência pela TV? E se o presidente do Boca apoia a candidatura do candidato “X” da CONMEBOL? Será?

O que significa isso tudo? Impunidade! Se a impunidade vem de cima, do topo do poder, daqueles que estão (ou estiveram) no governo, muitos cidadãos se sentem livres para fazer o que bem entenderem. Ademais, as articulações políticas evitam que certas pessoas sejam expostas pela imprensa diante de uma tragédia campal, e a suspensão imediata do jogo pode custar mandatos, campanhas políticas e candidaturas. E vão todas essas amarrações por água abaixo!

E o ser humano sendo deixado em segundo plano. Tudo isso me lembra Heysel (Bruxelas/BEL), em 1985. O futebol europeu mudou depois daquilo. Ficou caro, é verdade, mas suas torcidas continuam a preencher as bancadas dos estádios. Em paz. E por isso é sucesso absoluto pelo mundo todo. Estupidez tremenda compará-la à Libertadores, que perde em interesse e credibilidade.

A mudança deste sistema está em cada um de nós. O que queremos? Violência? Impunidade? Cultura bélica anti-esportiva de Libertadores? Não. Com quem e com o quê ‘estamos fechados’?

Eu quero muito um futebol sul-americano legítimo, de força e habilidade (a.k.a. Zico, Francescoli, Houseman, Marangoni, Gamboa, Caszely, Portaluppi, Cubillas, Aguinaga, Valderrama, Rivas, Gamarra, Baldivieso, Erwin Sánchez), de estádios lotados e festa de torcidas que só a América do Sul tem, a celebrar o clube e o espetáculo.

0 Responses to “À Sul-Americana”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




Mundo Virga

Houve um erro ao recuperar imagens do Instagram. Uma tentativa será refeita em poucos minutos.

Virgilio’s Tweets

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Esses Dias na História

15 de Fevereiro

1894 – Inaugurada a Escola Politécnica de São Paulo

16 de Fevereiro

1867 – Abertura ao tráfego da primeira ferrovia do estado de São Paulo, a São Paulo Railway

17 de Fevereiro

1867 – O primeiro navio atravessa o Canal de Suez

18 de Fevereiro

1965 – Independência do Gâmbia

19 de Fevereiro

1846 –  O governo da República do Texas transfere oficialmente o poder para o governo do estado do Texas após a anexação do Texas pelos Estados Unidos

20 de Fevereiro

1962 – Programa Mercury: a bordo da “Mercury-Atlas 6”, John Glenn torna-se o primeiro americano a orbitar a Terra, fazendo três órbitas em quatro horas e 55 minutos

21 de Fevereiro

1945 – Segunda Grande Guerra: a Força Expedicionária Brasileira derrota as forças alemãs na Batalha de Monte Castello durante a Campanha da Itália

22 de Fevereiro

2002 – O líder político angolano Jonas Savimbi é morto em uma emboscada militar

Blog Stats

  • 146.312 hits

#CulturaDeRugby


%d blogueiros gostam disto: