Ídolos

Algumas modalidades no Brasil recentemente têm enfrentado crises em termos de resultados expressivos e números de praticantes. Resultados também constituem fator que contribui para o número de praticantes. No entanto, estes resultados são gerados por expoentes em cada modalidade, em outras palavras, os ídolos.

Tomamos dois exemplos no Brasil: o basquetebol e o pugilismo. As grandes figuras do basquete nacional (masculino) atuam fora do país e possuem um historial recente de desentendimentos com Comissão Técnica e Corpo Diretivo da Seleção Brasileira, ou seja, pouco ou nada atuaram sob as cores nacionais, elemento necessário para a identificação torcedor/ídolo. O boxe atravessa um processo parecido. O último foi Popó Freitas, há alguns anos. Ao mesmo tempo que Popó se retirava dos ringues, os brasileiros se destacavam em outros esportes de luta, como o UFC, enquanto que não houve “substituição” de Popó. Com isso, parte do público do boxe passava a acompanhar essas outras lutas, enquanto que – com um produto bem trabalhado – conquistava outro em potencial.

Éder Jofre, referência do boxe nacional (idadecerta.com.br)

Éder Jofre, referência do boxe nacional (idadecerta.com.br)

O contrário aconteceu com o tênis e com a vela. Guga e Meligeni são claros exemplos de como os ídolos influenciam na repercussão da modalidade e no crescimento do número de praticantes. A vela também, com os irmãos Grael, com Robert Scheidt, Isabella Swan e Marcelo Ferreira. Obviamente velejadores não são vistos ao Brasil aos milhares, tampouco está perto de ser um esporte popular, porém, apesar de restrito, possui grande presença na mídia – em função de ter sido o esporte que mais deu medalhas de ouro ao Brasil nos Jogos Olímpicos – e progressivo aumento no número de atletas.

O mesmo caminho quer seguir – e está seguindo – o Rugby: criar ídolos e referências para gerações futuras, ao incentivá-los a serem como eles ou mesmo superá-los.

Ary Graça, hoje presidente da Confederação Brasileira de Vôlei, dizia há 40 anos que, para o voleibol crescer, era preciso criar referências. E assim foi, com a “Geração de Prata”, vice-campeã do Mundial de 1982 e das Olimpíadas de 1984; depois vieram as medalhas de ouro e os campeonatos mundiais, juvenis e adultos. Exemplo a ser seguido.

0 Responses to “Ídolos”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s




Virgilio’s Tweets

Esses Dias na História

14 de Agosto

1974 – Nasce Ryan Gracie, grande responsável pela expansão dos negócios da família com academias de Jiu-Jitsu Brasileiro.

15 de Agosto

1823 – Adesão da Província do Grão-Pará ao Império do Brasil.

16 de Agosto

1992 – O inglês Nigel Mansell torna-se campeão mundial de pilotos de Fórmula 1

17 de Agosto

1979 – Fundada a Associação Nacional de Jornais do Brasil, com o objetivo de defender a liberdade de imprensa

18 de Agosto

1964 – A África do Sul é banida dos Jogos Olímpicos pelo COI por não renunciar ao regime de apartheid (política de segregação racial)

19 de Agosto

1981 – Entra no ar o Sistema Brasileiro de Televisão (SBT).

20 de Agosto

2016 – O Brasil conquista a medalha de ouro no futebol masculino dos Jogos Olímpicos.

21 de Agosto

1991 – Tentativa de golpe na URSS: a junta é dissolvida e Mikhail Gorbachev recupera o poder. O parlamento da Letônia proclama sua independência da URSS.

22 de Agosto

1910 – Anexação da Coreia pelo Japão, o que quase extinguiu a cultura coreana.

23 de Agosto

1987 – O Brasil conquista a medalha de ouro no basquetebol masculino nos Jogos Pan-Americanos.

Blog Stats

  • 144,520 hits

#CulturaDeRugby


%d blogueiros gostam disto: