Archive for the 'Comunicação' Category



Convite para aula: “A Indústria do Esporte”

Dia 5 de Setembro estarei na Estácio (unidade Bela Vista em São Paulo/SP) para apresentar o curso de pós-graduação em Administração e Marketing Esportivo, com aula que tem como tema: “A indústria do Esporte: Gestão, Marketing e Comunicação” da Estácio.

A inscrição é GRATUITA através do link abaixo na arte do evento. Conto com a presença de todos:

Aula_ESTÁCIO

Minas Sevens 2018

No primeiro fim-de-semana de Agosto estive em Belo Horizonte para a transmissão do “Minas Sevens 2018” e também do jogo entre o Belo Horizonte Rugby Clube e os fluminenses do Guanabara Rugby Football Club, em jogo válido pelo “Super 16 – Campeonato Brasileiro de Rugby” (Rugby de XV). Além disso, realizei palestra sobre os desafios e oportunidades para rugby mineiro. Todo o evento aconteceu no SESC Venda Nova, na capital mineira.

No feminino, as vencedoras do Minas Sevens foram as atletas do Belo Horizonte RC. No masculino, a final foi um dérbi do Triângulo entre Uberlândia e Ituiutaba, com triunfo dos uberlandenses. No jogo do Super 16, vitória do Guanabara por 13 a 0 o que frustrou a torcida local. As estrelas-do-mar ficaram com a “Taça Igor Konovaloff” em disputa.

Foram mais de cinco horas de transmissão com os amigos Roberth Corgosinho e Marcelo Travassos nos comentários, com os trabalhos técnicos do pessoal da “98 Live”.

Uma grande honra e meus parabéns à Federação Mineira de Rugby e à “Brasil FA”, organizadora do evento.

Jiu Jitsu Brasileiro é Poder Brando

BJJFILIPINAS

Jiu-Jitsu Brasileiro nas Filipinas

Neste último texto do ano ainda levanto alguns pontos sobre o esporte como “poder brando”, o soft power (Nye, 1990). São fontes de poder intangíveis, como cultura, ideologia e demais instituições, em detrimento das formas de poder tradicionais, como a militar (“hard power”). Usa-se o “soft power” para conseguir o que se quer sem usar o “hard power”. É capaz de moldar, influenciar e determinar as crenças e desejos dos demais. Com isso se alcançam objetivos para uma política externa através de meios não materiais.

Imagino o quanto o futebol inglês colabora com a imagem do Reino Unido pela Europa com o “Brexit” em curso. Ou então o apoio à independência catalã em função da diplomacia pública que exerce o FC Barcelona. Sem falar do Qatar e Emirados Árabes Unidos com seus patrocínios milionários e conglomerados esportivos que estão por disneificar* o esporte.

Foi com esta tempestade cerebral que tomou boa parte do meu tempo livre – ou de trabalho – nas últimas semanas, que comecei a refletir onde estão a diplomacia pública e o poder brando do Brasil. No esporte. Face à irrelevante atuação brasileira na política internacional, a diplomacia pública exerce importante papel na projeção do país pelo mundo. Não apenas na política, mas na opinião pública. As telenovelas, por exemplo. No entanto, dentro do esporte, a seleção de futebol outrora excelente instrumento de relações públicas, já não possui tanta força. Marta foi eleita a melhor do mundo por muitas vezes consecutivas recentemente. Entretanto, o futebol feminino – infelizmente – não possui semelhante projeção como o masculino. Existe sim, uma grande oportunidade com Neymar, Gabriel Jesus e uma eventual conquista da Copa 2018. Mas não, não é suficiente.

E então eu abro o facebook e vejo a postagem de um conhecido meu, instrutor de Jiu-Jitsu, que vive em Oslo (Noruega), com uma foto da franquia da academia da família Gracie. Na parede, uma bandeira do Brasil e a foto do Sr. Hélio Gracie. Na fachada, a inscrição: “Brazilian Jiu Jitsu” (BJJ). Uma pesquisa de 30 minutos na internet foram suficientes para constatar o quando que a luta é admirada no mundo todo, com milhões de seguidores, que carrega o nome e o pavilhão do Brasil. Ademais, com uma cultura de valores que colaboram com a imagem do país (sobretudo quando a bandeira está exposta). Pena não ser tão popular como é o futebol. Sem sombra de dúvidas é o principal representante de uma diplomacia pública brasileira.

HELIO

Com tudo isso, é mais que na hora para que haja maior integração entre o esporte brasileiro e a política externa do país. Afinal, são atores como o BJJ que fazem muito mais que embaixadas e diplomatas espalhados mundo afora.

bjj gracie

Em tempo: o BJJ é condição “sine qua non” para ingressar nas Forças Armadas dos Emirados Árabes Unidos. Para crescer na hierarquia militar daquele país, é necessária a aprovação no exame para subir de faixa.

* Disneificação (Disneyfication): processo pelo qual tem se transformado o futebol em função da aquisição de clubes/equipes/franquias de diversas modalidades dentro de conglomerados empresariais. Caso do Liverpool FC (Inglaterra) cujo dono é também proprietário dos Red Sox de Boston (beisebol) e no caso do futebol, Manchester City FC e New York City FC pertencem ao mesmo grupo. Existem outras “holdings” também, como a do Atlético de Madrid (ESP) com o do Club San Luís (MEX).

O FC Barcelona e o “Soft Power” da Catalunha

De imediato vos lanço um desafio: o que primeiro vem em mente ao ler a seguinte palavra: “Catalunha”? Para muitos, vem Barcelona! Não a cidade, mas sim o clube de futebol.

Joseph Nye (1990) definiu o conceito de “soft power” (poder brando) como sendo aquelas fontes de poder intangíveis, como cultura, ideologia e demais instituições em detrimento das formas de poder tradicionais, como a militar (“hard power”). Usa-se o “soft power” para conseguir o que se quer sem usar o “hard power”, é capaz de moldar, influenciar e determinar as crenças e desejos dos demais. Com isso se alcança objetivos para uma política externa através de meios não materiais.

O sucesso internacional de atletas e equipes esportivas é palco para o desenvolvimento do “soft power”. Isso porque os Estados atraem simpatizantes através dos seus valores e cultura, e fazem um discurso para que o público queira o que eles (os Estados) querem, ao projetar uma imagem específica e criando uma impressão favorável para o mundo. Uma diplomacia pública, que o próprio Nye (2008) define como sendo um instrumento que os governos utilizam para mobilizar recursos para se comunicar com e atrair o público estrangeiro.

Ora, diante de todo o conceito de diplomacia pública e poder brando, em um cenário de uma Catalunha quase ou recém independente, mas sem os recursos materiais do “hard power”, em termos de política externa para região resta o “soft power”.

2803617

O mapa da Catalunha com o escudo do FC Barcelona

Assim sendo, não há dúvidas de que o seu principal embaixador – como sempre foi – é o Futbol Club Barcelona. O esporte claramente contribui para a marca e a imagem do Estado, ao destacar suas qualidades dentro dos pilares formadores de uma nação. Isso faz com que o orgulho nacional/regional seja potencializado através das conquistas do clube, além de projetar uma identidade particular no cenário internacional que pode ser atraente para milhares de torcedores mundo afora (Maguire et al. 2002).

Bartomeu

O presidente do FC Barcelona, Josep Maria Bartomeu, e as bandeiras da Catalunha e do clube

Não tenho dúvidas de que centenas de milhares de torcedores do FC Barcelona espalhados pelo mundo, sem quaisquer vínculos com a Espanha e a Catalunha, defendem a independência catalã simplesmente pelo afeto que possuem pelo clube.

Em tempo: o Rugby e a Nova Zelândia possuem parecida relação, o que é tema para outro texto.

Referências:

Maguire, J., Jarvie, G., Mansfield, L. and Bradley, J. (2002) Sport Worlds: A Sociological Perspective (Champaign, IL: Human Kinetics).

Nye, J. S. (1990) ‘Soft Power’, Foreign Policy, 80, 153-171

Nye, J. S. (2008) ‘Public diplomacy and soft power’, ANNALS, AAPSS, 616, 94-109

A questão Catalã e o lema de um clube

O lema do clube de futebol Barcelona é “Més que un club” (“Mais que um clube”, traduzido). Isso remete à histórica causa de autonomia e independência catalã em relação à monarquia da Espanha, com sede em Madri. Há algumas décadas, o nome oficial do clube era em espanhol (“Club de Fútbol Barcelona”). Outrora o uso do catalão bastante reprimido, apenas após o fim do governo Franco (1936-1975) a instituição passou a fazer sua comunicação neste idioma, tendo inclusive mudado seu nome oficial para “Fútbol Club Barcelona”.

Haja vista toda uma causa política e por toda uma história – ao mesmo tempo global – desde as origens de seu fundador suíço, a passar pela genialidade de Cruijff, Romário, Stoichkov e Messi; das equipes de basquete e handebol, do trabalho social que fazem na Catalunha e no mundo, “mais que um clube” simboliza bastante o que é o FC Barcelona. Dentro dessa linha de pensamento, não surpreende saber que Neymar – quando futebolista do clube – tinha que aprender o catalão.

Quando dos confrontos contra as equipes de Madrid (Real e Atlético), o “mais que um clube” alcança ainda maior projeção porque a rivalidade atinge níveis extremos. Uma vitória em campo simbolicamente representa a vitória da Catalunha sobre a Espanha, da República sobre a Monarquia, da independência sobre o centralismo. É a aplicação do papel de ser “mais que um clube”, que é o que quer representar – e consegue – o FC Barcelona. É uma identidade.

gettyimages-856248246_nwEcwyr

FC Barcelona entrou em campo em 1º de Outubro (dia do referendo catalão) com uma camiseta que remonta à bandeira da Catalunha. Foto: Getty Images

Agora, em um cenário que a Catalunha sim, consegue a independência: não teremos mais o duelo Madri x Barcelona, o antagonismo tão forte que gera e vende milhões mundo afora em que dois dos pilares são o centralismo da capital da Espanha e a causa dos catalães. Perde a liga espanhola de futebol, mas também perde o Barcelona. Continuará sendo “mais que um clube”, sem dúvida. Entretanto, qual o propósito disso a partir de então, uma vez que o principal fator motivador (autonomia e independência catalã) foi conquistado? Para quem eles seriam mais que um clube? O Barcelona jogaria uma liga local fraca, os resultados seriam previsíveis, a assistência média de público iria cair na mesma proporção que a projeção o seu futebol pelo planeta. Por consequência, os patrocinadores. Resultado: menores investimentos financeiros.

Há quem diga que agora é preciso redefinir o branding do clube!

Ora, dentro da Sociologia há uma corrente que diz que você só existe porque existe o outro, o rival, o antagonista. Se isso acaba, a motivação para seguir a “marcha” é afetada. Não sou espanhol e tampouco catalão para falar de uma região a que não pertenço. É a análise de uma questão – delicada – dentro do universo do meu trabalho. A causa catalã e a manutenção da soberania espanhola são muito mais que futebol, são muito mais que clubes.

Em tempo: por ironia, na rodada de 1º de Outubro do futebol espanhol, o Real Madrid (clube que mais representa a Monarquia e centralismo de Madri) jogou contra o RCD Espanyol, o outro clube de Barcelona que simbolicamente representa a Monarquia espanhola na Catalunha.

jurado-casemiro-real-madrid-espanyol-laliga_m924x8v39jpd1s0ok9a7rnz60

 

Filosofia de Trabalho II

Como continuação do post anterior, escrito há mais de 2 meses, dou sequência no tema da “Filosofia de Trabalho”, tão importante para quaisquer organizações, esportivas ou não.

O conhecido Club Atlético River Plate (Buenos Aires/ARG) foi rebaixado dentro de campo em Junho/2011. Fora de campo, afundado em dívidas. Realizaram eleições e assumiu um novo presidente – remunerado e de dedicação integral -, responsável por criar uma equipe de gestores que daria a volta por cima com o clube anos mais tarde, e conquistaria a Copa Bridgestone Libertadores de 2015.

Recorto aqui alguns trechos da matéria “This is the Story of the Fall and Rise of River” (Esta é a Estória da Queda e Ascensão do River) da renomada revista inglesa “Four Four Two”. Algumas das mudanças mais significativas foi o resgate da filosofia do clube e o estabelecimento de uma cultura e ética de trabalho.

FullSizeRender-2

“Mas algo se destaca, a coisa mais importante foi filosofia. Nós voltamos às nossas origens, desde as categorias de base até a equipe principal, de respeitar o estilo que nos tornou grandes e a nossa maneira de se jogar futebol. ” (tradução nossa)

FullSizeRender-3

“…River começou a desempenhar com os 3 Gs que foram uma parte importante da aproximação do clube com o seu jogo: Ganar (Ganhar), Gustar (aproveitar/divertir-se) e Golear (golear).” (tradução nossa)

FullSizeRender-4

“E para o River, ser River novamente foi, sobretudo, uma vitória de caráter.” (tradução nossa)

É cada vez mais evidente a questão de estabelecer uma filosofia organizacional nas instituições esportivas. Os próprios resultados das grandes equipes de ponta nas mais diversas modalidades deixam isso ainda mais claro.

Filosofia de Trabalho

Filosofia: Amigo da sabedoria, ou amor pelo saber, estudo dos problemas fundamentais ligados à existência, ao conhecimento, à verdade, aos valores morais e estéticos. Do grego Φιλοσοφία.

Para uma organização (esportiva ou não) implementar uma filosofia de trabalho (a verdade e os princípios morais dela), com base em sua missão, visão e valores, leva um tanto de tempo. Ela é importante para a adaptação de um colaborador e o estabelecimento de uma rotina, assim como é um dos fatores responsáveis por proporcionar entrosamento em uma equipe. É a representação da cultura de uma instituição. Em muitos casos, a implementação de uma filosofia de trabalho vem acompanhada por uma cartilha de direitos e deveres do colaborador.

Parece fútil, mas faz toda a diferença. Instituições centenárias, ou mais recentes porém sólidas, baseiam-se em uma cultura que se vislumbra em um primeiro momento para depois se desenvolver ao longo do tempo.

No futebol, dizem que o Corinthians possui algo parecido. Uma vez me disseram que o funcionário de chão de fábrica do clube é treinado a levar consigo a máxima “Aqui é Corinthians”. No Grêmio, igual, com a contratação de Roger como treinador do plantel principal e a manutenção de comissões técnicas fixas nas categorias de base. Aos poucos elas passarão aos jovens atletas um jeito de atuar próprio do clube, construído em mais de um século, através de jogadores notáveis e títulos importantes. No São Paulo, o Centro de Treinamento em Cotia possui poucos funcionários terceirizados, pelo mesmo motivo (funcionários do clube se identificam com ele, têm a essência do clube).

Insisto no tema porque reconheço este ser um dos problemas do esporte no Brasil, sobretudo no futebol. Os que citei no parágrafo anterior, são algumas exceções. O problema também ocorre em outros países. Patrick Vieira (hoje técnico do New York CFC) não quer ser treinador na Liga Inglesa porque acredita não terá tempo suficiente de implementar uma cultura de trabalho. Ele declarou à revista “FourFourTwo”: “It’s all about winning. There’s so much pressure” (Tudo é questão de vitória / É muita pressão).

Conheço um pouco dos All Blacks e a União de Rugby da Nova Zelândia. Quem é convocado para a seleção pela primeira vez ou é recrutado para trabalhar na sede da federação passa por um período de treinamento para saber onde se vai trabalhar (ou jogar), para quem (com quem) e quem na história ajudou a fazer a instituição. Isso sustentado pela Missão, Visão e seus Valores.

NZ1

NZ2

NZ3

Voltamos ao Corinthians e especificamente ao seu treinador, Tite. Queriam mandá-lo embora depois de uma derrota para o Tolima, na Pré-Libertadores, em 2011. Apesar do revés, mantiveram-no no cargo. Abriram mão dos resultados e da pressão (o que Vieira disse haver na Liga Inglesa, torneio que achamos exemplo de planejamento e implementação de cultura de trabalho dentro do esporte) e com o tempo criaram uma equipe campeã, sem estrelismo ou protagonistas, e em que a instituição de fato parecia estar em primeiro lugar.

Não sei por quais motivos o Tite ficou no cargo. Quero muito acreditar que tenha sido uma opção feita a partir da cultura da organização.


Mundo Virga

Virgilio’s Tweets

Esses Dias na História

17 de Dezembro

1819 – Simón Bolívar declara a independência da República da Grã-Colômbia em Angostura (hoje Ciudad Bolívar na Venezuela)

18 de Dezembro

1932 – Os Ursos de Chicago (Chicago Bears) vencem os Espartanos de Portsmouth (Portsmouth Spartans) no primeiro jogo da história da NFL

19 de Dezembro

1983 – Roubo da Taça Jules Rimet, da sede da CBF à Rua da Alfândega, no Rio de Janeiro

20 de Dezembro

1999 – Portugal transfere a soberania de Macau para a República Popular da China

21 de Dezembro

1995 – Israel transfere a soberania da cidade de Belém para a Autoridade Palestina

22 de Dezembro

1989 – O então Presidente da Romênia, Nicolae Ceaușescu, é deposto por Ion Iliescu após dias de sangrentos distúrbios pelo país. O dirigente deposto e sua esposa fogem de helicóptero, que sobrevoa uma Bucareste em ruínas

23 de Dezembro

1990 – Em referendo, 88,5% dos eslovenos optam pela independência em relação à Iugoslávia

24 de Dezembro

1906 – Reginald Fessenden faz a primeira transmissão regular de rádio ao ler um poema, fazer um solo de violino e, finalmente, um breve discurso

25 de Dezembro

1991 – Referendo na Ucrânia decide pela sua independência em relação à URSS

1991 – Em Moscou, o Presidente da antiga URSS Mikhail Gorbachev renuncia e a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas se dissolve

26 de Dezembro

1963 – Os “Beatles” lançam “I Want to Hold Your Hand” e “I Saw Her Standing There” nos EUA, o marco do início da ‘Beatlemania’ em nível internacional

Blog Stats

  • 146.018 hits

#CulturaDeRugby


%d blogueiros gostam disto: