Sobre o Tempo

O drop de Wilkinson ao final do segundo tempo da prorrogação da final da Copa do Mundo de 2003.

O gol de Romarinho em uma La Bombonera repleta.

O gol de Gabiru pelo SC Internacional, contra um Barcelona tido como imbatível, em 2006.

Instantes que consagram ídolos. Que distinguem os herois das pessoas comuns, que correm o risco da desonra pública por algo maior. E conseguem. Essas pessoas cujas origens (social, política e econômica) são as mais desfavoráveis. A ascensão social no menor espaço de tempo e imprevisibilidade, tornando-os espelhos para uma juventude inteira. Eles provocam tensão, espelham o conflito, representam a ansiedade. A evidente meritocracia: talvez o esporte (algumas modalidades, pelo menos) seja um dos poucos ambientes em que mesmo o melhor faz parte das seleções nacionais, das equipes, ou seja, se alguém faz parte de uma elite, é porque merece.

O gol de Viola na decisão do Paulista de 1988.

O gol de Maurício, pelo Botafogo, na decisão do Carioca de 1989.

A cesta de Belov, nos centésimos de segundos finais da decisão Olímpica de 1972.

abaixo, o drop de Wilkinson, na final do Mundial de rúgbi de 2003:

Foto: a cesta de Belov na decisão do basquete nos Jogos Olímpicos de 1972

0 Responses to “Sobre o Tempo”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: