Archive for the 'Jogos Olímpicos' Category

O time unificado coreano: nova etapa da política externa de Kim Jong-un?

Anteriormente no O Esporte e o Mundo, foi abordada a tensão entre as Coreias em seu confronto nas Eliminatórias para a Copa do Mundo FIFA de 2010, que você lê aqui. Curiosamente, no dia 17 de janeiro, os países anunciaram que teriam pela primeira vez desde a separação da Coreia ao fim da Segunda Guerra Mundial, um time unificado de Hóquei em uma competição internacional oficial, no caso, as Olimpíadas de Inverno de 2018, sediada na Coreia do Sul, em PyeongChang. Tendo em vista as recentes tensões provocadas pelos testes nucleares realizados pelo governante norte-coreano Kim Jong-un e sua interação com o presidente estadunidense Donald Trump, qual poderia ser a intenção por trás desta tentativa de aproximação?

Lee-Goim-South-Korea-Hong-Un-Jong-North-Korea-reuters-640x480

Rio 2016: a ginasta sul-coreana Lee Goim (direita) em selfie com a norte-coreana Hong Un-Jong (esquerda)

O que se pode afirmar é que de fato a atitude da Coreia do Norte de participar do evento esportivo em seu vizinho ao sul não pode ser desconsiderado do cenário político envolvendo ambos os países. Em seu discurso de ano novo, Kim Jong-un afirmou ter convicção de a Coreia do Sul teria êxito em sediar as Olimpíadas de Inverno, além de propor o diálogo imediato entre as Coreias. O mesmo discurso, transmitido na rede de TV estatal, conteve também manteve a hostilidade aos Estados Unidos e a Trump, afirmando que o país agora possui capacidade de ataca-los com poderio nuclear quando desejar.

O isolamento causado pelas atitudes do líder norte-coreano também pode ser mitigado pela iniciativa, tendo algum tipo de impacto sobre as sanções econômicas que a ONU mantém sobre o país. Representantes de altos cargos na organização internacional como o Secretário-Geral António Guterres, e o presidente da Assembleia Geral, Miroslav Lajcak se manifestaram positivamente sobre a iniciativa. A ida de Kim Jong-un e seu encontro com líderes de outros países e da ONU num evento transmitido para todo o mundo pode ajudar a diminuir o ideário de isolamento total da Coreia do Norte, e reabrir diálogos.

Também, é uma possibilidade para a Kim Jong-un mostrar algum sucesso de seu regime, como o local oferecido para o treinamento do time unificado de Hóquei, o recém-inaugurado Masikryong Ski Resort (foto abaixo).

Featured-675x365

Enfim, não é novidade a tentativa de utilizar o esporte na reconstrução do diálogo entre as Coreias, o que já foi visto em outras oportunidades, mas o que se destaca é justamente o contexto no qual a atitude se insere. O inédito time unificado entre as Coreias é criado num momento onde, com a consequência de um grande isolamento e tensão em relação ao país, a Coreia do Norte enfim consegue (palavra deles) obter armas nucleares, o colocando num patamar com apenas outros 8 países. Tendo mão desse trunfo, o país deve passar a reabrir diálogo, negociar. Seus principais objetivos em médio prazo são a retirada das sanções econômicas aplicadas ao país, e a retirada da presença militar dos EUA na Coreia do Sul, e para ambos, a participação nas Olimpíadas de Inverno, onde se compete com amizade, pode ser o início de uma nova fase da política externa de Kim Jong-un.

Filipe de Figueiredo dos Santos Reis, graduado em Relações Internacionais pela PUC Minas.

Contato: filipedefigueiredo@hotmail.com

Cerimonial

Além dos resultados esportivos nos Jogos Olímpicos serem importantíssimos para contribuírem com a imagem percebida de um país e, consequentemente, seu produto, a cerimônia de abertura dos Jogos também são.

Sochi Olympics Opening CeremonyAo observar o de Sochi na última sexta (7/2) e ter tido uma aula sobre a história russa e seus grandiosos feitos, desde a Idade Média por terra até a era Soviética com o espaço. Ao mesmo tempo relacionava o que via na cerimônia com todos os impasses e polêmicas em que os russos estão envolvidos: Daguestão, Abkházia, Chechênia (todos ali perto), Ucrânia, Gazprom (empresa que foi alvo de campanha do Greenpeace no oceano ártico) e a questão homossexual, além de outros não menos importantes, mas numerosos para serem listados neste texto. Foi uma cerimônia para celebrar o país-sede. Por alguns instantes poderia colocar o de negativo em ligeiro esquecimento. Entretanto algumas tropeços (como o de um anel Olímpico não ter sido aceso) puseram isso em cheque.

Depois de tudo isso nada me impressionava em ver a bandeira russa a tremular incansável e constante no estádio ao lado da bandeira dos Jogos, tímida.

Justa Escolha

Tóquio foi escolhida no último sábado (7) a sede dos Jogos Olímpicos de 2020. O Japão portanto sediará dois dos eventos mais vistos do tokyo 2020planeta em dois anos: mundial de rugby (2019) e as Olimpíadas, no ano seguinte. Para acrescentar, o Extremo Oriente em três anos receberá 3 dos maiores e mais vistos eventos esportivos, um em cada ano: Jogos Olímpicos de 2018 em Peyongchang (Coreia do Sul) mais os dois citados antes. Duas Olimpíadas e um mundial de rugby.

Justa escolha. Não foram os protestos turcos nem o conflito na Síria que influenciaram o COI na decisão. Se fosse por isso Pequim não seria a escolhida porque faz fronteira com países em constante belicismo (Afeganistão, Paquistão e Coreia do Norte). Ou nem em Seul (1988), já que tecnicamente as duas coreias ainda estão em guerra desde 1953. Perderam Espanha e Turquia pelos recentes escândalos de doping, sobretudo com os espanhóis. E isso o princípio Olímpico não aceita. O Japão, alheio a tudo isso, passou limpo e foi escolhido.

As Olimpíadas agora voltam-se para o Extremo Oriente, berço de sociedades com ideais, princípios e valores que se encontram com aquilo que o Olimpismo prega. Vão os Olímpicos praquele lado do planeta a fim de restaurar e resgatar o espírito do esporte.

Financiamento Coletivo em Prol do Esporte

por Flávio Perez, da SalveSport

reebokcobjos1996A SalveSport, uma recente plataforma de financiamento coletivo 100% esportiva, ajuda a psicóloga e pesquisadora Kátia Rubio a conseguir arrecadar fundos para concluir o projeto Memórias olímpicas por atletas olímpicos brasileiros. Após 40 dias de ação, a campanha já ultrapassou a marca dos R$ 120 mil, valor mínimo da iniciativa. A enciclopédia irá retratar as conquistas dos atletas do País desde os Jogos de 1920 até 2012, além de traçar o perfil dos 1.872 atletas olímpicos que participaram do maior evento do planeta.

“Foi como uma verdadeira maratona virtual e presencial. Eram pelo menos 18 horas por dia no ar fosse de São Paulo ou de qualquer outro lugar onde estivesse fisicamente. Foram incontáveis reuniões, presenciais e virtuais, com pessoas que fui conhecendo ao longo do processo e que queriam colaborar de alguma forma. Foram muitas promessas, mas muito mais ações, para não deixar a pesquisa parar. E, quando atingimos o mínimo, foi como se estivesse entrando no estádio olímpico para dar a volta final de uma maratona. Estava cercada de muita gente, cada um em sua casa, em algum lugar com um computador ou telefone, acompanhando os momentos finais da arrecadação”,  diz Kátia Rubio, que ofereceu aos padrinhos recompensas como uma velejada com Lars Grael e meligeni_lars (1)um jogo de tênis com Fernando Meligeni.

O Brasil esteve representado em 16 das 25 edições dos Jogos Olímpicos da Era Moderna, conquistando a primeira medalha olímpica em Antuérpia (1920). Até os Jogos de Londres (2012) o Brasil totalizou 109 medalhas, sendo 23 de ouro, 31 de prata e 55 de bronze, das quais apenas 14 foram ganhas em modalidades coletivas. Essa é uma indicação do quanto o esporte nacional sobrevive à custa de esforços individuais, uma vez que o processo de formação de equipes esportivas é complexo e envolve mais do que a soma de valores individuais, necessitando de tempo e a construção de vínculo entre os atletas e comissão técnica para que resultados positivos sejam alcançados.

Sobre a SalveSport – O site www.salvesport.com é uma plataforma de financiamento coletivo (crowdfunding) exclusiva para as modalidades esportivas. Atletas, treinadores, gestores e escritores, por exemplo, podem tornar, de maneira segura, seus projetos pessoais voltados ao universo esportivo em prática. A ação chamada também de “vaquinha pela internet” nada mais é que um patrocínio em pequenas cotas. Para participar da SalveSport, o autor precisa apenas publicar de maneira gratuita sua ideia e qualquer pessoa física ou jurídica pode colaborar com os projetos. Além da contribuição com valores pré-definidos, existe a opção de doação livre. Em todos os casos, a pessoa pode optar pela participação anônima. Cada campanha dura 40 dias, no mínimo, podendo chegar a 55 dias.

Volta Olímpica

Jogos Olímpicos de Londres, ano 2012 d.C, Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, que já foi o maior Império, onde o sol nunca se punha, cujas relações comerciais trouxeram o futebol para o Brasil, mas também para o seu grande rival no esporte, a Argentina. As argentinas formam uma das melhores seleções de hóquei-na-grama feminino, conhecidas como “las Leonas”, que têm como grandes rivais as holandesas, que se orgulhavam da equipe de voleibol masculino dos anos 90, vice-campeão Olímpico em Barcelona’92 e campeão em Atlanta’96, cidade-sede da CNN (rede de TV) e da Coca-Cola. Esta última empresa, é patrocinadora TOP (Parceira Olímpica TOP), conceito de marketing esportivo criado por Michael Payne no fim dos anos 70 e início dos 80, influenciado pela FIFA (Federação Internacional de Futebol), que já tinha algo parecido com a mesma fábrica de refrigerantes e também com a Adidas.

Esse tipo de governança nas entidades de administração esportiva teve origem nos anos 60, aqueles da chegada do homem à lua, das revoltas estudantis na França, de Woodstock, e de quando os recém-independentes países africanos solicitavam ao mundo o não-reconhecimento de uma África do Sul que estava no auge do ‘Apartheid’. Os Sul-Africanos despontavam no tênis, natação e rúgbi, esporte com origem Britânica, assim como Stanley Rous, que presidia a FIFA, mas relutante à exclusão dos sul-africanos. Isso motivou ainda mais a candidatura do brasileiro João Havelange à presidência daquela entidade, mesmo nunca tendo sido atleta do futebol. Havelange fora nadador e jogou as Olimpíadas de 1936 pela Seleção Brasileira de pólo-aquático, em Berlim, capital do Nacional-Socialismo de Hitler, austríaco de nascimento e idealizador da ‘anschluss’, anexação da Áustria ao território alemão. Esse gesto motivou o suicídio do também austríaco e um dos maiores atletas da época, Matias Sindelar, o ‘homem-papel’, que se recusava a jogar sob outra bandeira que não a de origem, sob domínio do nazismo alemão, aliado do Império Japonês.

Império Japonês cuja miséria e pobreza do início do século XX motivou a partida de centenas de milhares de imigrantes para o mundo através de navios. Um deles era o ‘Kasato Maru’, o primeiro que trouxe muitos deles ao Brasil. Com eles, também trouxeram a luta suave japonesa, o Judô. Um século depois e o Brasil é referência mundial nesse esporte. No último fim-de-semana deu ao país uma medalha de ouro e outra de bronze nos Jogos Olímpicos em Londres, capital do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte.

Pré-Olímpicas

Estamos a duas semanas dos Jogos Olímpicos de Londres. Há 20 anos estávamos às vésperas dos de Barcelona. Eram as férias de Julho. Eu e meus amigos, o pessoal da rua, inventávamos competições ‘Olímpicas’. Nos dividíamos entre países, o clima era outro. Vivíamos os Jogos e aguardávamos ansiosamente por eles. Naquela época, Fernando Collor era presidente, ouvíamos falar do processo de impeachment sobre ele, mas era uma palavra que para nós significava mais estranha do que a possibilidade de destituição do cargo. A inflação era avassaladora: não se sabia quanto ia custar a pipoca no fim do mês. Usávamos ‘Bamba’ e ‘kichute’. Senna era (ainda é) nosso herói. Ninguém compreendia o fim da União Soviética. Só havia 6 canais de TV: Globo, Bandeirantes, SBT, Cultura, Manchete e Record. Os jornais ainda não eram coloridos. Internet? Nem ideia, assim como um computador. Ainda assim, não víamos a hora dos Jogos de Barcelona!

Hoje, não sei se pela idade, mesmo com as Olimpíadas prestes a acontecer, não vemos tudo isso do mesmo jeito. Claro que para atletas e imprensa, é diferente. Talvez se o rúgbi lá já estivesse, veria de outra maneira. Também não vemos com os mesmos olhos, temos atualmente outras prioridades que uma criança não tem/tinha. Sabemos também mais dos interesses comerciais e financeiros envolvidos no esporte. Infelizmente as Olimpíadas já não são o que foram. Ou sempre foram, mas não percebíamos. Somos diariamente expostos a tantos eventos, tantas opções de consumo de espetáculos esportivos que chegamos a considerar que as Olimpíadas são apenas mais alguns desses eventos. Para a maioria do público em geral, será. Claro que não deixarão de acompanhar, desde badminton até o tiro-ao-alvo móvel, ‘fossa-de-tantos-metros’, ‘calibre-coisa-e-tal’.

Em 20 anos muita coisa mudou. Daqui 20 anos, tanta coisa ainda pode mudar. Os Jogos Olímpicos não são unânimes e enfrentam forte concorrência. Como eles vão cativar o público, sobretudo o mais adolescente, é um grande desafio. Talvez as Olimpíadas nem sejam feitas mais para a televisão, mas sim exclusivamente pela internet, cujo sinal wi-fi estará ao alcance de todos, assim como as ondas de rádio, que são facilmente captadas pelo aparelho. Do futuro, não se sabe. São apenas previsões.

Os Jogos têm os seus ideais e valores. Tudo isso é muito bonito, mas a concorrência existe e é cada vez maior, os públicos variam, os gostos também. E gosto não se discute. Gosto se entende.

* – em 1992, o máximo em eletrônico que tínhamos dos Jogos Olímpicos era um cartucho do Mega-Drive. Eram 6 modalidades: 100 metros rasos (para se fazer o boneco correr precisava apertar rapidamente os botões ABABABABAB…), 110 metros com barreiras, natação, arremesso de peso, saltos ornamentais e dardo!


Esses Dias na História

3 de Junho

1822 – Dom Pedro recusa fidelidade à Constituição portuguesa e convoca a primeira Assembleia Constituinte brasileira

1984 – Ayrton Senna, em sua primeira temporada na F1, chega na terceira posição no Grande Prêmio de Mônaco

4 de Junho

1970 – Independência de Tonga

5 de Junho

2003 – Dissolução da República Federal da Iugoslávia

6 de Junho

1944 – Segunda Guerra Mundial: Desembarque na Normandia de 155.000 soldados das tropas aliadas (“Dia D”)

7 de Junho

1494 – Portugal e a Espanha assinam o Tratado de Tordesilhas

8 de Junho

1990 – Começa o XIV Campeonato Mundial de Futebol na Itália com o jogo de abertura Camarões 1 x 0 Argentina

9 de Junho

1934 – Estreia do “Pato Donald” em The Wise Little Hen

10 de Junho

1539 – Hernando de Soto desembarca na baía do Espírito Santo (atual Sarasota, FL), nos Estados Unidos, com 600 homens

1770 – O governador de Buenos Aires, Bucarell, ordena que os ocupantes britânicos das ilhas Malvinas desocupem a zona

1776 – O Congresso de Filadélfia aprova a Declaração de Independência dos estados da união, nos Estados Unidos.

1829 – O governador das Províncias Unidas do Rio da Prata cria o Comando Político e Militar das Ilhas Malvinas

11 de Junho

***DATA MAGNA DA MARINHA DO BRASIL***

1865 – Vitória brasileira na Batalha Naval do Riachuelo, da Guerra do Paraguai

12 de Junho

1921 – Fundação do Figueirense Futebol Clube

13 de Junho

1808 – Criado o Jardim Botânico do Rio de Janeiro

14 de Junho

1900 – Havaí se torna parte do Estados Unidos

1982 – Fim da Guerra das Malvinas

15 de Junho

1891 – Já em tempos de República, é oficializada a Província de Minas Gerais como unidade da Federação

16 de Junho

1950 – É inaugurado o estádio “Jornalista Mário Filho”, o “Maracanã”

17 de Junho

1994 – Começa o XV Campeonato Mundial de Futebol masculino, nos EUA

18 de Junho

1908 – Aporta em Santos o navio Kasato-Maru, trazendo os primeiros imigrantes japoneses ao Brasil

19 de Junho

1846 – É realizada, em Hoboken (Nova Jérsei), nos Estados Unidos, a primeira partida oficial de beisebol

20 de Junho

1995 – Fundado o Desterro Rugby Clube, em alusão ao antigo nome de Florianópolis/SC, “Nossa Senhora do Desterro”

21 de Junho

1970 – O Brasil conquista o tricampeonato mundial de futebol masculino ao venceu seu similar italiano, por 4 a 1

1978 – A Argentina vence o Peru por 6 a 0 e se classifica para a decisão da Copa do Mundo de futebol masculino daquele ano

22 de Junho

1986 – Em tarde de gala, Maradona faz os dois gols da Argentina na vitória sobre a Inglaterra por 2 a 1 em jogo válido pelas quartas-de-final da Copa do Mundo de futebol masculino: “La Mano de Dios” e o “Barrilete Cósmico”

23 de Junho

***Dia Olímpico***

1894 – Fundação do Comitê Olímpico Internacional, por iniciativa do barão Pierre de Coubertin

24 de Junho

1995 – A África do Sul (Springboks) vence a Nova Zelândia (All Blacks) por 15 a 12 e conquista, pela primeira vez, a Copa do Mundo de Rugby (XV) masculino

25 de Junho

1975 – Independência do Moçambique

1978 – A Argentina vence a Holanda por 3 a 1 e conquista pela primeira vez o campeonato mundial de futebol masculino

1991 – A Croácia e a Eslovênia declaram sua independência da Iugoslávia/Jugoslávia

Mundo Virga

Houve um erro ao recuperar imagens do Instagram. Uma tentativa será refeita em poucos minutos.

Blog Stats

  • 143,633 hits

Virgilio’s Tweets

#CulturaDeRugby


%d blogueiros gostam disto: