Archive for the 'Esporte e Política' Category

O time unificado coreano: nova etapa da política externa de Kim Jong-un?

Anteriormente no O Esporte e o Mundo, foi abordada a tensão entre as Coreias em seu confronto nas Eliminatórias para a Copa do Mundo FIFA de 2010, que você lê aqui. Curiosamente, no dia 17 de janeiro, os países anunciaram que teriam pela primeira vez desde a separação da Coreia ao fim da Segunda Guerra Mundial, um time unificado de Hóquei em uma competição internacional oficial, no caso, as Olimpíadas de Inverno de 2018, sediada na Coreia do Sul, em PyeongChang. Tendo em vista as recentes tensões provocadas pelos testes nucleares realizados pelo governante norte-coreano Kim Jong-un e sua interação com o presidente estadunidense Donald Trump, qual poderia ser a intenção por trás desta tentativa de aproximação?

Lee-Goim-South-Korea-Hong-Un-Jong-North-Korea-reuters-640x480

Rio 2016: a ginasta sul-coreana Lee Goim (direita) em selfie com a norte-coreana Hong Un-Jong (esquerda)

O que se pode afirmar é que de fato a atitude da Coreia do Norte de participar do evento esportivo em seu vizinho ao sul não pode ser desconsiderado do cenário político envolvendo ambos os países. Em seu discurso de ano novo, Kim Jong-un afirmou ter convicção de a Coreia do Sul teria êxito em sediar as Olimpíadas de Inverno, além de propor o diálogo imediato entre as Coreias. O mesmo discurso, transmitido na rede de TV estatal, conteve também manteve a hostilidade aos Estados Unidos e a Trump, afirmando que o país agora possui capacidade de ataca-los com poderio nuclear quando desejar.

O isolamento causado pelas atitudes do líder norte-coreano também pode ser mitigado pela iniciativa, tendo algum tipo de impacto sobre as sanções econômicas que a ONU mantém sobre o país. Representantes de altos cargos na organização internacional como o Secretário-Geral António Guterres, e o presidente da Assembleia Geral, Miroslav Lajcak se manifestaram positivamente sobre a iniciativa. A ida de Kim Jong-un e seu encontro com líderes de outros países e da ONU num evento transmitido para todo o mundo pode ajudar a diminuir o ideário de isolamento total da Coreia do Norte, e reabrir diálogos.

Também, é uma possibilidade para a Kim Jong-un mostrar algum sucesso de seu regime, como o local oferecido para o treinamento do time unificado de Hóquei, o recém-inaugurado Masikryong Ski Resort (foto abaixo).

Featured-675x365

Enfim, não é novidade a tentativa de utilizar o esporte na reconstrução do diálogo entre as Coreias, o que já foi visto em outras oportunidades, mas o que se destaca é justamente o contexto no qual a atitude se insere. O inédito time unificado entre as Coreias é criado num momento onde, com a consequência de um grande isolamento e tensão em relação ao país, a Coreia do Norte enfim consegue (palavra deles) obter armas nucleares, o colocando num patamar com apenas outros 8 países. Tendo mão desse trunfo, o país deve passar a reabrir diálogo, negociar. Seus principais objetivos em médio prazo são a retirada das sanções econômicas aplicadas ao país, e a retirada da presença militar dos EUA na Coreia do Sul, e para ambos, a participação nas Olimpíadas de Inverno, onde se compete com amizade, pode ser o início de uma nova fase da política externa de Kim Jong-un.

Filipe de Figueiredo dos Santos Reis, graduado em Relações Internacionais pela PUC Minas.

Contato: filipedefigueiredo@hotmail.com

Jiu Jitsu Brasileiro é Poder Brando

BJJFILIPINAS

Jiu-Jitsu Brasileiro nas Filipinas

Neste último texto do ano ainda levanto alguns pontos sobre o esporte como “poder brando”, o soft power (Nye, 1990). São fontes de poder intangíveis, como cultura, ideologia e demais instituições, em detrimento das formas de poder tradicionais, como a militar (“hard power”). Usa-se o “soft power” para conseguir o que se quer sem usar o “hard power”. É capaz de moldar, influenciar e determinar as crenças e desejos dos demais. Com isso se alcançam objetivos para uma política externa através de meios não materiais.

Imagino o quanto o futebol inglês colabora com a imagem do Reino Unido pela Europa com o “Brexit” em curso. Ou então o apoio à independência catalã em função da diplomacia pública que exerce o FC Barcelona. Sem falar do Qatar e Emirados Árabes Unidos com seus patrocínios milionários e conglomerados esportivos que estão por disneificar* o esporte.

Foi com esta tempestade cerebral que tomou boa parte do meu tempo livre – ou de trabalho – nas últimas semanas, que comecei a refletir onde estão a diplomacia pública e o poder brando do Brasil. No esporte. Face à irrelevante atuação brasileira na política internacional, a diplomacia pública exerce importante papel na projeção do país pelo mundo. Não apenas na política, mas na opinião pública. As telenovelas, por exemplo. No entanto, dentro do esporte, a seleção de futebol outrora excelente instrumento de relações públicas, já não possui tanta força. Marta foi eleita a melhor do mundo por muitas vezes consecutivas recentemente. Entretanto, o futebol feminino – infelizmente – não possui semelhante projeção como o masculino. Existe sim, uma grande oportunidade com Neymar, Gabriel Jesus e uma eventual conquista da Copa 2018. Mas não, não é suficiente.

E então eu abro o facebook e vejo a postagem de um conhecido meu, instrutor de Jiu-Jitsu, que vive em Oslo (Noruega), com uma foto da franquia da academia da família Gracie. Na parede, uma bandeira do Brasil e a foto do Sr. Hélio Gracie. Na fachada, a inscrição: “Brazilian Jiu Jitsu” (BJJ). Uma pesquisa de 30 minutos na internet foram suficientes para constatar o quando que a luta é admirada no mundo todo, com milhões de seguidores, que carrega o nome e o pavilhão do Brasil. Ademais, com uma cultura de valores que colaboram com a imagem do país (sobretudo quando a bandeira está exposta). Pena não ser tão popular como é o futebol. Sem sombra de dúvidas é o principal representante de uma diplomacia pública brasileira.

HELIO

Com tudo isso, é mais que na hora para que haja maior integração entre o esporte brasileiro e a política externa do país. Afinal, são atores como o BJJ que fazem muito mais que embaixadas e diplomatas espalhados mundo afora.

bjj gracie

Em tempo: o BJJ é condição “sine qua non” para ingressar nas Forças Armadas dos Emirados Árabes Unidos. Para crescer na hierarquia militar daquele país, é necessária a aprovação no exame para subir de faixa.

* Disneificação (Disneyfication): processo pelo qual tem se transformado o futebol em função da aquisição de clubes/equipes/franquias de diversas modalidades dentro de conglomerados empresariais. Caso do Liverpool FC (Inglaterra) cujo dono é também proprietário dos Red Sox de Boston (beisebol) e no caso do futebol, Manchester City FC e New York City FC pertencem ao mesmo grupo. Existem outras “holdings” também, como a do Atlético de Madrid (ESP) com o do Club San Luís (MEX).

O “Conselho de Segurança” do Futebol

Com a classificação do Peru para o mundial de futebol da Rússia no próximo ano, a América do Sul terá 5 representantes no evento. Os outros quatro são Argentina, Brasil, Colômbia e Uruguai. A região tem 10 seleções. Metade delas vai para a Copa. Logo, 50%!

Alta proporção em relação aos outros continentes. A Europa possui 55 membros e teve 14 vagas (25,45%). A Ásia, 47 e 5 vagas (a da Austrália foi na repescagem), 10,64%. A África, 5 vagas entre 56 federações nacionais, 9%. A América do Norte, Central e Caribe, 3 em 41 integrantes (7,3%). A Oceania não teve nenhum classificado entre os seus 14 membros.

peru2

Peru celebra gol que o classificou para o Mundial de Futebol em 2018

É grande a proporção de equipes classificadas da América do Sul. É mercado populoso e com poder aquisitivo, mas incomparável com outras partes do mundo como a Ásia, Europa e América do Norte. Por que tamanha diferença nestas proporções? Levanto aqui algumas hipóteses:

  1. Torneio de seleções mais antigo do futebol, a Copa América, de 1916;
  2. Número de títulos mundiais, vice-campeões e semi-finalistas em Copas (Chile já foi terceiro em 1962), em proporção ao número de equipes na Confederação da América do Sul;
  3. Contribuição com o jogo;

Ainda assim acho bastante alto o índice de 50%. Por que as Américas não têm uma confederação continental apenas? A maneira como a modalidade foi organizada na América do Sul foi completamente diferente da das partes Central e do Norte, bem como das ilhas do Caribe. Por que Suriname, Guiana e Guiana Francesa não fazem parte da Confederação Sul-Americana? Pela organização política, econômica, social e cultural desses países e território ultramarino francês, que estão mais próximos dos do Caribe do que dos da América do Sul.

 

Por analogia, a América do Sul no futebol lembra o Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas, que zelam pela manutenção da paz e segurança internacional. Seria a “Liga da Justiça”? É…por aí, vai. Cinco membros do CS são permanentes e possuem poder de veto: República Popular da China, Federação Russa, República Francesa, Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte e Estados Unidos da América. Os outros 10 países ocupam posição rotativa no CS que dura dois anos.

Se a presença permanente no Conselho e o veto é em preservação à natureza da ONU e da manutenção da balança de poder, tantas vagas para a América do Sul explica-se para preservar uma “balança de poder” do futebol mundial – que atualmente pende muito mais para a ordem econômica do hemisfério norte – e a natureza do jogo, que os sul-americanos receberam e aprimoraram, enquanto que hoje europeus e asiáticos a aperfeiçoaram, ao incorporarem a tecnologia e outros elementos que remontam à Revolução Industrial (1760, 1820 a 1840), como a psicologia do trabalho, os recursos humanos, a produção em série – produtividade, eficiência e eficácia – além da otimização do tempo.

Revolução Industrial que projetou várias modalidades esportivas, entre elas o futebol. Tema para outro texto!

Um Melhor do Mundo Presidente da Libéria

Primeiro país independente da África (1847), fundado a partir de terras compradas pelos Estados Unidos para escravos recém libertados, que desejassem voltar ao continente de origem, teve muito apoio de um ex-presidente norte-americano, James Monroe (1817-1825). É por isso que sua capital leva o nome de Monróvia.

Com uma história marcada por mandos e desmandos no poder, golpes de Estado e bastante violência, nos últimos anos a política liberiana felizmente goza de estabilidade. Nas primeiras eleições livres e diretas, realizadas há 12 anos, a economista Ellen Johnson-Sirleaf (Prêmio Nobel da Paz em 2011) foi eleita (2005) e reeleita (2011). No pleito deste ano, o ex-futebolista George Weah (escolhido melhor do mundo em 1995) atual senador e derrotado nas últimas eleições, venceu e será empossado em breve.

George-Weah

Weah escolhido melhor do mundo em 1995, pelo AC Milan

Os problemas da Libéria são vários, desde a corrupção até a pobreza extrema da população, endêmica. Entretanto, a aparente tranquilidade na condução das eleições dá um panorama que poucos países africanos possuem, que é o do respeito pela democracia e suas instituições.

george-weah-campaign-in-monrovia

Weah em campanha presidencial

Não vai ser um ex-futebolista que vai resolver as questões que atrasam aquele país, mas enquanto atleta ele o uniu em momentos delicados. Dedicou-se a causas sociais e esportivas na Libéria. Sempre foi bastante atuante politicamente, mesmo dentro de campo, quando era embaixador da ACUNR (Agência das Nações Unidas para os Refugiados), tendo sido ele próprio, refugiado. Sabe a dinâmica da economia de um país desenvolvido. Em termos de Soft Power (poder brando), um importante “Relações Públicas” para a nação. Simbolicamente ele posiciona a Libéria no mundo, o que pode atrair vários investimentos estrangeiros. Ademais, ele sucede uma economista que – aos olhos do mundo – pôs o país de volta à vida democrática.

GWeah2001vsNigeria

Weah em atuação pela Libéria contra a Nigéria, em 2001

Se continuar neste caminho da estabilidade e unidade nacional, a Libéria tem um próspero futuro pela frente. Claro que o futebol é bastante diferente da política, e Weah parece bem saber disso.

O FC Barcelona e o “Soft Power” da Catalunha

De imediato vos lanço um desafio: o que primeiro vem em mente ao ler a seguinte palavra: “Catalunha”? Para muitos, vem Barcelona! Não a cidade, mas sim o clube de futebol.

Joseph Nye (1990) definiu o conceito de “soft power” (poder brando) como sendo aquelas fontes de poder intangíveis, como cultura, ideologia e demais instituições em detrimento das formas de poder tradicionais, como a militar (“hard power”). Usa-se o “soft power” para conseguir o que se quer sem usar o “hard power”, é capaz de moldar, influenciar e determinar as crenças e desejos dos demais. Com isso se alcança objetivos para uma política externa através de meios não materiais.

O sucesso internacional de atletas e equipes esportivas é palco para o desenvolvimento do “soft power”. Isso porque os Estados atraem simpatizantes através dos seus valores e cultura, e fazem um discurso para que o público queira o que eles (os Estados) querem, ao projetar uma imagem específica e criando uma impressão favorável para o mundo. Uma diplomacia pública, que o próprio Nye (2008) define como sendo um instrumento que os governos utilizam para mobilizar recursos para se comunicar com e atrair o público estrangeiro.

Ora, diante de todo o conceito de diplomacia pública e poder brando, em um cenário de uma Catalunha quase ou recém independente, mas sem os recursos materiais do “hard power”, em termos de política externa para região resta o “soft power”.

2803617

O mapa da Catalunha com o escudo do FC Barcelona

Assim sendo, não há dúvidas de que o seu principal embaixador – como sempre foi – é o Futbol Club Barcelona. O esporte claramente contribui para a marca e a imagem do Estado, ao destacar suas qualidades dentro dos pilares formadores de uma nação. Isso faz com que o orgulho nacional/regional seja potencializado através das conquistas do clube, além de projetar uma identidade particular no cenário internacional que pode ser atraente para milhares de torcedores mundo afora (Maguire et al. 2002).

Bartomeu

O presidente do FC Barcelona, Josep Maria Bartomeu, e as bandeiras da Catalunha e do clube

Não tenho dúvidas de que centenas de milhares de torcedores do FC Barcelona espalhados pelo mundo, sem quaisquer vínculos com a Espanha e a Catalunha, defendem a independência catalã simplesmente pelo afeto que possuem pelo clube.

Em tempo: o Rugby e a Nova Zelândia possuem parecida relação, o que é tema para outro texto.

Referências:

Maguire, J., Jarvie, G., Mansfield, L. and Bradley, J. (2002) Sport Worlds: A Sociological Perspective (Champaign, IL: Human Kinetics).

Nye, J. S. (1990) ‘Soft Power’, Foreign Policy, 80, 153-171

Nye, J. S. (2008) ‘Public diplomacy and soft power’, ANNALS, AAPSS, 616, 94-109

A questão Catalã e o lema de um clube

O lema do clube de futebol Barcelona é “Més que un club” (“Mais que um clube”, traduzido). Isso remete à histórica causa de autonomia e independência catalã em relação à monarquia da Espanha, com sede em Madri. Há algumas décadas, o nome oficial do clube era em espanhol (“Club de Fútbol Barcelona”). Outrora o uso do catalão bastante reprimido, apenas após o fim do governo Franco (1936-1975) a instituição passou a fazer sua comunicação neste idioma, tendo inclusive mudado seu nome oficial para “Fútbol Club Barcelona”.

Haja vista toda uma causa política e por toda uma história – ao mesmo tempo global – desde as origens de seu fundador suíço, a passar pela genialidade de Cruijff, Romário, Stoichkov e Messi; das equipes de basquete e handebol, do trabalho social que fazem na Catalunha e no mundo, “mais que um clube” simboliza bastante o que é o FC Barcelona. Dentro dessa linha de pensamento, não surpreende saber que Neymar – quando futebolista do clube – tinha que aprender o catalão.

Quando dos confrontos contra as equipes de Madrid (Real e Atlético), o “mais que um clube” alcança ainda maior projeção porque a rivalidade atinge níveis extremos. Uma vitória em campo simbolicamente representa a vitória da Catalunha sobre a Espanha, da República sobre a Monarquia, da independência sobre o centralismo. É a aplicação do papel de ser “mais que um clube”, que é o que quer representar – e consegue – o FC Barcelona. É uma identidade.

gettyimages-856248246_nwEcwyr

FC Barcelona entrou em campo em 1º de Outubro (dia do referendo catalão) com uma camiseta que remonta à bandeira da Catalunha. Foto: Getty Images

Agora, em um cenário que a Catalunha sim, consegue a independência: não teremos mais o duelo Madri x Barcelona, o antagonismo tão forte que gera e vende milhões mundo afora em que dois dos pilares são o centralismo da capital da Espanha e a causa dos catalães. Perde a liga espanhola de futebol, mas também perde o Barcelona. Continuará sendo “mais que um clube”, sem dúvida. Entretanto, qual o propósito disso a partir de então, uma vez que o principal fator motivador (autonomia e independência catalã) foi conquistado? Para quem eles seriam mais que um clube? O Barcelona jogaria uma liga local fraca, os resultados seriam previsíveis, a assistência média de público iria cair na mesma proporção que a projeção o seu futebol pelo planeta. Por consequência, os patrocinadores. Resultado: menores investimentos financeiros.

Há quem diga que agora é preciso redefinir o branding do clube!

Ora, dentro da Sociologia há uma corrente que diz que você só existe porque existe o outro, o rival, o antagonista. Se isso acaba, a motivação para seguir a “marcha” é afetada. Não sou espanhol e tampouco catalão para falar de uma região a que não pertenço. É a análise de uma questão – delicada – dentro do universo do meu trabalho. A causa catalã e a manutenção da soberania espanhola são muito mais que futebol, são muito mais que clubes.

Em tempo: por ironia, na rodada de 1º de Outubro do futebol espanhol, o Real Madrid (clube que mais representa a Monarquia e centralismo de Madri) jogou contra o RCD Espanyol, o outro clube de Barcelona que simbolicamente representa a Monarquia espanhola na Catalunha.

jurado-casemiro-real-madrid-espanyol-laliga_m924x8v39jpd1s0ok9a7rnz60

 

Negócio da China

As negociatas que envolvem jogadores do campeonato brasileiro de futebol  que se transferem aos bandos para a China formam o “assunto do momento”. Dominam a imprensa. É o tempo todo. Está chato!

O futebol tornou-se política de estado na República Popular da China. E não porque o premiê chinês curte a modalidade. Não vai ser através do tênis de mesa e da ginástica que a imagem do país e dos seus produtos irão mudar. Afinal, quantas pessoas no planeta acompanham as competições desses esportes? Não como no futebol, assustadoramente desproporcional na capacidade de engajar praticantes e torcedores.

A China de Pequim quer se posicionar no mercado global e agregar valor à sua imagem percebida pelo mundo. Investem em patrocínios nos campeonatos europeus. Fortalecem a liga local através de rios de dinheiro oferecidos aos futebolistas brasileiros e seus agentes.

ricardogoulart2

Com um campeonato nacional forte, mostram ao mundo do que são capazes. Chamam a atenção. O futebol passa a olhar para eles.

Por analogia isso faz-me lembrar do Japão no início dos anos 1990 e da Rússia nos anos 2000. Reforçaram suas ligas locais. Os japoneses sediaram uma Copa em 2002. A Rússia receberá a de 2018, e salva a FIFA, que vai precisar da China em um breve futuro.

E ainda tem a Índia que há ‘pouco’ descobriu-se no futebol. Somados os dois mercados, chinês e indiano, temos quase a metade do planeta.

Dizem que o Brasil é o país do futuro. Sempre disseram. Com futebolistas de primeira linha indo embora em debandada, o campeonato nacional fica mais fraco e a seleção também. Não valerá a pena convocar para a seleção um atleta que mora do outro lado do mundo. Cansaço de viagem, fuso horário e o desgaste não vão contribuir para o rendimento do jogador.

Campeonato mais fraco, menor o interesse, menor a audiência, menos os anúncios, menos empregos gerados. Se os clubes não se organizarem, se não houver regulamentação do mercado esportivo, quem perde é o país.


Esses Dias na História

16 de Janeiro

1605 – Publicado em Madrid a primeira edição de El ingenioso hidalgo Don Quijote de la Mancha” (Livro I de Dom Quixote) de Miguel de Cervantes

17 de Janeiro

1377 – Papa Gregório XI muda o Papado de Avignon de volta para Roma

18 de Janeiro

1535 – Fundação de Lima, capital do Peru

19 de Janeiro

1983 – Anunciado o “Apple Lisa”, o primeiro computador pessoal comercial da Apple a ter uma interface gráfica do usuário e um mouse

20 de Janeiro

1917 – Lançado em disco “Pelo Telefone”, considerado o primeiro samba a ser gravado no Brasil

21 de Janeiro

1911 – Ocorre o primeiro Rali de Monte Carlo

22 de Janeiro

1968 –  Apollo 5 lança o primeiro voo teste não tripulado do Módulo Lunar Apollo (LM-1) para o Programa Apollo da NASA

23 de Janeiro

1579 – União de Utrecht forma uma república protestante nos Países Baixos

24 de Janeiro

1984 – Apple Computer lança nos Estados Unidos o computador pessoal “Macintosh”

25 de Janeiro

1554 – Fundada a Vila de São Paulo de Piratininga, atual São Paulo, capital do estado homônimo e cidade com o maior número de habitantes do país

1924 – Abertura das Jogos Olímpicos de Inverno de Chamonix (FRA)

1934 – Fundação da Universidade de São Paulo (USP)

26 de Janeiro

1546 – Fundação da atual cidade de Santos (na imagem abaixo, o brasão de armas do município, cuja inscrição significa: “À Pátria ensinei a liberdade e a caridade”)

27 de Janeiro

1983 – Perfurado o eixo piloto do túnel Seikan, o túnel subaquático mais longo do mundo (53,85 km) entre as ilhas japonesas de Honshu e Hokkaido

28 de Janeiro

1808 – Promulgado o Decreto de Abertura dos Portos às Nações Amigas pelo Príncipe-regente de Portugal Dom João de Bragança, em Salvador

29 de Janeiro

1886 – Karl Benz patenteia o primeiro automóvel bem sucedido à gasolina

30 de Janeiro

1972 – Domingo Sangrento: paraquedistas britânicos abrem fogo contra manifestantes católicos em Derry, Irlanda do Norte, matando 14 pessoas.

31 de Janeiro

1966 – URSS lança a nave espacial não tripulada Luna 9 como parte do “Programa Luna”.

1º de Fevereiro

1987 – Instalada a Assembleia Nacional Constituinte (ANC) no Brasil, presidida pelo deputado federal Ulysses Guimarães (a ANC trabalhou para a atual Carta Magna da República Federativa do Brasil, em 5-10-1988)

2 de Fevereiro

1914 – Fundação do Paysandu Sport Club, em Belém/PA

3 de Fevereiro

1536 – Pedro de Mendoza funda a cidade de Buenos Aires

4 de Fevereiro

1856 – Fundação da Vila de Mokói-Yembú, atual Dois Córregos

5 de Fevereiro

1973 – Os Estados Unidos enterram o último soldado morto na Guerra do Vietnã, conflito que oficialmente acabou só em 30-4-1975

6 de Fevereiro

1840 – Assinatura do “Tratado de Waitangi”, na Nova Zelândia: garante a soberania do Reino Unido sobre o território. Também garante aos nativos da continuidade da chefia e a posse das suas terras e tesouros (tsonga em māori). Por fim, concede iguais direitos aos Māori e anglo-descendentes.

7 de Fevereiro

1756 – É assassinado Sepé Tiaraju, líder da resistência dos Sete Povos das Missões

Mundo Virga

Existem 2 maneiras de preparar café ☕️ e uma é esta! 
Na outra, o filtro é de pano 🙂. #café

Blog Stats

  • 140,914 hits

Virgilio’s Tweets

#CulturaDeRugby


%d blogueiros gostam disto: